Anúncio 680 x 110 px

Jornalismo enfrenta desafio de robôs que produzem notícias


Dizer sempre a mesma coisa, publicar press-release como notícia, trocar informação por editorial (o mesmo) — isso tudo robô vai fazer melhor.

Escrever a mesma 'colona' todo dia, nos mesmos jornais e programas de tevê — isso também os robôs fazem.

Como diz o Mino: o Brasil é o unico lugar do mundo em que todos os jornais têm a mesma posição (de joelhos).

E onde os jornalistas são piores que os patrões…

Tudo isso permitirá a rapida introdução dos robôs — enquanto essas publicações ainda existirem…

Do El País:

Metade dos empregos atuais poderá ser automatizado nos Estados Unidos em 25 anos, de acordo com um relatório da Universidade de Oxford, publicado em 2013. Uma previsão vertiginosa que cobra ainda mais velocidade no jornalismo, já que a Associated Press começou a usar robôs para produzir notícias automaticamente.

Os robôs são programas de computador que já conquistaram outros setores, como o serviço ao cliente on-line, serviços de varejo ou pessoas que buscam informações. Todavia, seu uso no editorial é o mais recente desafio a ser enfrentado, pelo jornalismo, após a explosão da Internet nos meios de comunicação, mudando definitivamente a distribuição de notícias e diminuindo modelos de negócio baseados em publicidade.
Sigam Portal MP no Twitter: @MPaulinia
A introdução de robôs, nas redações americanas, começou de forma limitada, porém, de forma constante. O The New York Times, luz no horizonte para grandes publicações, já produz informações esportivas por algoritmos matemáticos que incluem decisões de técnicos de basebol. Na Califórnia, o Los Angeles Times publicou em março o primeiro relatório criado por um robô, relacionado a um terremoto. Mas o grande pioneiro neste campo foi Narrative Ciência, cujo lema é “Descubra as histórias escondidas em seus dados”, que assinou um acordo com a Forbes.

O último foi a agência de notícias Associated Press. Graças a sua colaboração com a empresa Automated Insights, seus robôs escrevem resultados das empresas de capital aberto relacionadas à Bolsa. De acordo com o vice-presidente e editor AP, Lou Ferrara, jornalistas “libertados” desta tarefa de escrever será dedicado a “escrever notícias sobre o que esses números significam e o que dizem as empresas.”

O objetivo da agência, como fora antes para a Narrative Science, ou agora com o Times, é liberar profissionais de uma tarefa tediosa que requer pouca criatividade e pode ser reproduzida por uma máquina com supervisão humana mínima. Robôs serão responsáveis pela publicação do quem, o quê, quando e onde de uma história. Jornalistas vão descobrir como e por quê.

As possibilidades de estes sistemas são “ilimitadas”, diz James Kotecki, porta-voz Automated Insights. A quantidade de dados que podem ser coletados, a partir dos resultados de tendências econômicas, é interminável. O impacto também. “À medida que as organizações crescem e as pessoas vão obter mais e mais matérias, a necessidade de analisar e explicar uma interpretação vai aumentar”, justifica Kotecki, porta-voz da empresa.

O advento desses robôs que realizam parte do trabalho de jornalistas, numa época em que a profissão começa a respirar depois de uma profunda crise econômica no setor, foi recebida com ceticismo. Essa desconfiança de profissionais para esta tecnologia fez Ferrara defender a sua decisão desde o primeiro momento: “Isso vai nos permitir usar os nossos recursos humanos de forma mais criativa durante a temporada de resultados”, afirmou. “Assim, descobriremos tendências e informações exclusivas para publicar ao mesmo tempo que esses dados.”

O trabalho dos jornalistas, a quantidade de textos que produzem durante o dia e os formatos em que se publica, desde artigos de noticias até blogs, mensagem em rede social ou conversa com leitores vem aumentando nos últimos anos pela multiplicação de plataformas na Internet. “Alguns meios têm recebido críticas por não fazer jornalismo com profundidade. Estes programas os liberarão”, diz Arden Manning, porta voz de Yseop, companhia que desenvolve programas que geram conteúdo.

David Sancha, diretor de Xalok, empresa especializada em tecnologia para meios de Miami, concorda com esse argumento para ganhar a confiança dos jornalistas em tais ferramentas. “Eles não são bons ou maus em si mesmos, mas tudo depende do uso a ser dado”, diz ele. “Automatizar algumas tarefas jornalísticas básicas permitem aos editores dedicar seu tempo a funções que requerem interpretação.”

De Yseop, no entanto, reconhecer que você ainda não se pode dizer que os robôs são capazes de trabalhar de forma independente e auto-suficiente. Na área de comércio on-line, por exemplo, os algoritmos podem recomendar produtos depois de uma pergunta de um usuário, mas ainda não aprendi a explicar que razões justificam estas sugestões. “Um dos nossos desafios é ensinar sistemas de computador para aprender a partir de suas próprias práticas ao longo do tempo”, diz Manning.

Outro desafio é a linguagem. As notícias de esportes elaboradas por robôs do Times apenas se convertem em uma lista de resultados e sua interpretação está limitada a um conjunto de estatísticas. Os dados, neste caso, não pretendem substituir o trabalho do jornalista, mas complementá-lo.

Sancha insiste que sempre haverá um editor que deverá se encarregar adicionar o que ele chama de “cor” ao texto de uma crônica esportiva que não pode carecer de ambiente do campo ou das arquibancadas. “É impossível um robô ser capaz de escrever uma crônica, uma reportagem interpretativa ou uma notícia de acontecimento em que o jornalista tenha estado presente, tenha recebido informação direta e pode trazer sua propria experiência.



Compartilhar Google Plus

Autor Roger Dance

Sou criativo, polêmico, autodidata por natureza e político por opção. Meus ideais de uma sociedade justa e igualitária estão no sangue. Sejam bem vindos a minha vida e ao mundo da informação dos bloggers.