Anúncio 680 x 110 px

Setembro Verde visa aumentar número de doação de órgãos e tecidos em todo o Brasil


Para o Doutor Lima, criador do projeto, um dos principais problemas do baixo número de transplantes é a resistência dos familiares

Dia 27 de setembro é comemorado o Dia Nacional do Doador de Órgãos e Tecidos. Para conscientizar a população da importância das doações e o quanto esse ato pode salvar vidas, foi criado o projeto Setembro Verde. O idealizador é o renomado e conceituado médico Doutor Lima, especialista em cirurgia cardiovascular, em transplante de coração e Coordenador da Comissão de Remoção de Órgãos da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).

Sigam Portal MP no Twitter: @MPaulinia
O projeto, que hoje já atende 11 municípios de São Paulo, além dos estados de Rio Grande do Sul, Ceará, Amazonas, Minas Gerais, Paraná, Sergipe, Acre, Rio de Janeiro e Goiás, tem como intuito levar informação sobre o que é o transplante de órgãos e qual orientação deve-se buscar sobre o assunto.

O Setembro Verde também luta por leis que acolham o transplantado e seus parentes durante essa espera tão dolorosa, além de buscar alcançar todos os direitos, benefícios assistenciais financeiros e previdenciários que os portadores de deficiência física possuem. Além disso, atua na assistência social dando palestras gratuitas sobre o assunto e a prevenção de doenças cardiovasculares.

No primeiro semestre deste ano, a ABTO divulgou um balanço que constatou diminuição no número de transplantes de órgãos no Brasil. Pela primeira vez em oito anos, houve uma queda de quase 20% na taxa de potenciais doadores, doadores efetivos e no número de transplantes de rim, fígado, pâncreas e córneas, em relação ao ano passado.

Segundo o Doutor Lima, um dos principais inimigos do baixo número de transplantes de órgãos é a recusa familiar. “Ela pode estar ligada a falta de informação, religião ou a outros dogmas. Vejo que o Brasil ainda é muito carente de campanhas que falem sobre a doação de órgãos. A informação é algo fundamental para esse assunto. Campanhas deveriam ser elaboradas o ano todo”, explica.

O Brasil possui mais de 55 mil pessoas na fila de espera por um órgão sólido e realiza 23.500 transplantes por ano. O país tem o segundo maior programa de transplantes do mundo, com 95% das cirurgias de transplantes acontecem em hospitais da rede pública do Sistema Único de Saúde (SUS), perdendo apenas para os Estados Unidos.



Compartilhar Google Plus

Autor Roger Dance

Sou criativo, polêmico, autodidata por natureza e político por opção. Meus ideais de uma sociedade justa e igualitária estão no sangue. Sejam bem vindos a minha vida e ao mundo da informação dos bloggers.