Anúncio 680 x 110 px

Fonoaudióloga de Paulínia lança livro baseado em atendimentos


Todos os dias, ao fim dos atendimentos feitos a crianças e adolescentes, a fonoaudióloga Rosângela G. Murad Leite de Barros sempre é presenteada por seus pacientes com um intenso beijo na bochecha, ato que ela carinhosamente apelidou de beijos babados. O apelido saiu dos consultórios e deu nome ao livro lançado por ela para contar as pequenas histórias e experiências reais vivenciadas como Fonoaudióloga.

Neste sábado, 9 de dezembro, dia em que o país celebra o Dia do Fonoaudiólogo, a as histórias contadas por Rosângela surgem como exemplos de que a relação entre médico e paciente vai muito além das consultas: o livro mostra que Rosângela levou no coração cada momento vivido ao lado de pacientes que superam diariamente as suas limitações.
Atendendo no Centro de Terapia e Reabilitação Integrada de Paulínia (CETREIM) na área de Distúrbios da Audição desde 1998, Rosângela narra histórias reais vividas por pacientes de fonoaudiologia, que falam da luta por sua reabilitação, histórias de suas famílias e reflexões recheadas de gratidão e afeto.

"As histórias dos pacientes sempre me impactaram. Coloco-me no lugar deles para poder iniciar meus atendimentos, caso contrário sei que sempre ficará faltando algo nesta relação. Confesso que nem sempre é algo fácil. Numa destas ocasiões, resolvi colocar no papel o relato de uma situação que me comoveu. Ao ler para outras profissionais do Cetreim, recebi a sugestão de escrever um livro. E foi daí que surgiu a ideia deste projeto", diz Rosângela.

Sobre o nome do livro, a fonoaudióloga explica que teve origem em seu dia a dia. "Escrevi o texto "Beijos Babados" que é o apelido que dei para o beijo que eu recebia das crianças que saíam das terapias e não controlavam a baba. Cheio de afeto, elas me davam o beijo que sabiam dar, os beijos babados. O nome saiu espontâneo e desde o início eu sabia que seria esse" diz.

O livro "Beijos Babados" foi lançado por meio de financiamento coletivo. "Acho que esse foi o maior desafio: a fase de arrecadação de fundos através de financiamento coletivo para edição do livro, que é uma modalidade de apoio financeiro a projetos diversos. Mas deu tudo certo e o resultado não poderia ser melhor", finaliza.
Compartilhar Google Plus

Autor Roger de Souza

Sou criativo, polêmico, autodidata por natureza e político por opção. Meus ideais de uma sociedade justa e igualitária estão no sangue. Sejam bem vindos a minha vida e ao mundo da informação dos bloggers.