Anúncio 680 x 110 px

Juiz dá a guarda para o Pai - Menino Samuel chora de desespero.

Menino de seis anos chora ao saber que voltará a morar com pai em Capivari
(Foto: Reprodução/EPTV)

Menino volta a morar com pai após chorar ao saber de decisão do juiz. Garoto se desesperou em vídeo por descobrir que guarda voltou para o pai. Conselho Tutelar de Capivari disse que criança passa bem; mãe vai recorrer.

O menino de 6 anos, que se desesperou em um vídeo ao receber a notícia de que deveria voltar a morar com o pai, já está com ele, segundo o Conselho Tutelar de Capivari (SP). De acordo com uma das conselheiras, o garoto chegou ao município do interior de São Paulo na noite de quinta-feira (28), após decisão da Justiça de Brasília (DF), onde morava com a mãe, de que ele deveria regressar à casa do pai. Na manhã desta sexta (29), o órgão entrou em contato com os dois e informou que a criança passa bem.

Portal MP nas Redes - Facebook | Twitter |Youtube

A conselheira tutelar Evanilde Barbosa afirmou que não foi até a casa da família porque o pai e o garoto "estão descansando e emocionalmente abalados". Após cinco horas de audiência em Riacho Fundo (DF), um juiz de Brasília (DF) determinou que o garoto voltasse para a guarda do pai. A criança passou os últimos quatro meses com a mãe, Rosilene Batista Silva, que disse ter ido buscá-lo depois de ouvir da cunhada que ele sofria maus-tratos.

No vídeo gravado pela tia materna, Sarah Almada, o filho de Rosilene chora, diz que não quer largar a mãe de novo e pede para ser deixado em uma sala. Depois, afirma que o pai batia nele e que a madrasta o empurrou em um buraco. O Conselho Tutelar de Capivari já acompanhava a família e informou continuará acompanhando junto ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

Agressões


O casal viveu junto durante um ano, e a mulher contou que só deu a guarda do filho ao homem, em 2012, porque ele a ameaçou de morte. Rosilene disse ainda que levou o filho para Brasília sem consultar o pai, depois de visitar o garoto. Ela afirmou, porém, que procurou orientação jurídica antes de tentar reaver a guarda da criança.

Após o pedido, em setembro, ela conseguiu a guarda provisória do menino. “Eu cheguei lá, eu já tinha procurado orientação da Defensoria [Pública], da Vara da Criança [Infância e Juventude], que me orientou ‘Rosi, vai para lá, se você vir que seu filho está em situação de risco você traz, porque dentro da nossa jurisdição a gente pode ajudar’. Nós trouxemos ele no dia 6 de setembro”, contou a mãe.

A mulher também alegou que registrou queixas contra agressões sofridas por parte do ex-marido, mas que as retirou por medo da reação dele. Ela relatou que ficou dois anos sem poder ver a criança. Rosilene informou que entrou com um recurso para tentar reaver a guarda do filho, mas o pedido ainda não foi julgado pela Justiça.

Campanha


Comovidos com o vídeo divulgado nas redes sociais, internautas criaram uma página no Facebook, intitulada "Ajudem o Samuel", em apoio ao menino. Até às 12h30 desta sexta, a comunidade já tinha mais de 12 mil seguidores. Na página, mães estão publicando fotos de seus filhos com a frase "#somostodossamuel" escritas nos braços das crianças. Além disso, os internautas pedem que o garoto volte para a mãe.

Protesto


Nesta sexta-feira, uma manifestação organizada por meio de redes sociais reuniu dezenas de pessoas em frente ao Fórum do Riacho Fundo, no Distrito Federal, para tentar sensibilizar a Justiça a reverter a decisão que determina que o menino volte a morar com o pai.

O grupo levou cartazes reforçando os pedidos da criança no vídeo. Motoristas que passavam pela rua do fórum buzinavam em apoio ao ato. Muitas mulheres estavam acompanhadas dos filhos e gritavam por justiça.



Compartilhar Google Plus

Autor Roger Dance

Sou criativo, polêmico, autodidata por natureza e político por opção. Meus ideais de uma sociedade justa e igualitária estão no sangue. Sejam bem vindos a minha vida e ao mundo da informação dos bloggers.