Header Ads

Anúncio 680 x 110 px

Justiça condena Sumaré a pagar indenização por morte de adolescente


 O caso é de 2011, mas a situação se repete em 2024. Em abril, um morador de Sumaré, 63 anos, morreu depois de não ter o diagnostico da doença na rede pública da cidade.

A justiça condenou as prefeituras de Nova Odessa e Sumaré a pagarem uma indenização de R$ 300 mil a um homem de 54 anos, residente de Sumaré, que era pai de uma menina que faleceu em 28 de fevereiro de 2011, aos 13 anos, devido a um quadro de dengue agravado por tratamento inadequado na saúde pública dos dois munícipios.

A Prefeitura de Nova Odessa disse ao jornal o LIBERAL que não irá se manifestar, pois o caso é de 2011. 

Sumaré, no entanto, afirmou que aguarda intimação e analisará a situação com vistas a eventual interposição de recursos em instâncias superiores.

Na época em que o caso aconteceu, a vítima chegou a dar entrada no dia 22 de fevereiro de 2011 em uma UPA de Sumaré e logo em seguida recebeu alta. A jovem retornou no dia seguinte à mesma unidade, porém foi diagnosticada com amidalite e mandada para casa.

Preocupados com o quadro de saúde da filha, que começava a apresentar sintomas mais graves da doença, os pais a levaram no dia 24, no Hospital de Nova Odessa. Ela passou por exames que apontaram baixa contagem de plaquetas, mas mesmo assim foi liberada e não foi diagnosticada.

Devido às falhas no tratamento, a família entrou com processo na Justiça pedindo indenização de R$ 100 mil por danos morais. “Não foram praticadas todas as condutas médicas necessárias e o óbito da menor foi diretamente resultante do atendimento médico faltoso”, ponderou o relator do recurso e desembargador Sidney Romano dos Reis.

O caso é de 2011, mas a situação se repete em 2024. Em abril, um morador de Sumaré, 63 anos, também foi vítima fatal da dengue. Aparecido deu entrada em uma UPA de Sumaré, não foi diagnosticado e a família o levou até o hospital municipal de Nova Odessa, aonde veio a óbito como mais uma vítima da negligência da saúde pública. A Prefeitura de Sumaré não se manifestou sobre o caso de Aparecido. 

Tecnologia do Blogger.