Header Ads

Anúncio 680 x 110 px

Empresa de Sumaré é alvo da PF em operação contra desvios de fundos partidários e eleitorais


 A Polícia Federal (PF) cumpriu um mandado de busca e apreensão em uma empresa de Sumaré, na manhã desta quarta- -feira (12), durante uma operação contra desvios nos fundos partidários e eleitorais de 2022 do partido PROS – que foi incorporado pelo Solidariedade em 2023. A corporação não informou exatamente qual é o envolvimento da companhia.

No total, são cumpridos 45 mandados de busca e apreensão em Goiás, São Paulo e no Distrito Federal, além de sete ordens de prisão preventiva. A ação em Sumaré é a única na região de Campinas. Os alvos são investigados pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, furto qualificado, apropriação indébita, falsidade ideológica eleitoral e apropriação de recursos destinados ao financiamento eleitoral.

As apurações começaram a partir da denúncia de um presidente partidário, que acusou um ex-dirigente de desviar cerca de R$ 36 milhões.

Na operação desta quarta, os policiais tentam bloquear e indisponibilizar R$ 36 milhões e 33 imóveis do grupo. Os mandados foram autorizados pela Justiça Eleitoral do Distrito Federal. Em nota, o partido Solidariedade disse que os fatos ocorreram antes do que chamou de “união” do PROS com a legenda.

“Esses são fatos ocorridos antes da união do PROS com o Solidariedade, estamos tomando pé da situação e ainda não temos uma posição sobre os fatos”, disse o partido Solidariedade.

Candidatos laranjas

Investigadores da Polícia Federal identificaram indícios de que o grupo criminoso agiu com o objetivo de desviar e se apropriar de recursos dos fundos partidário e eleitoral por meio de candidaturas laranjas em diferentes estados do país.

O grupo também é suspeito de superfaturar serviços contratados junto a consultorias jurídicas e também de desviar verbas destinadas à Fundação de Ordem Social, ligada ao PROS, que foi incorporado ao Solidariedade.

O grupo teria lavado o dinheiro desviado a partir da criação de empresas de fachada, compra de imóveis por intermediários e superfaturamento de serviços prestados aos laranjas e ao próprio partido.

Fonte: G1

Tecnologia do Blogger.