Anúncio 680 x 110 px

Hospital Samaritano Campinas vai testar uso de hidroxicloroquina em pacientes com Covid-19


A Unidade abriu um Pronto-Socorro Respiratório separado do Pronto-Socorro Geral, montou uma Ala de Internação Respiratória com 16 leitos e uma UTI Respiratória com 13 leitos.

O Hospital Samaritano Campinas juntou esforços com o Instituto de Pesquisa Clínica de Campinas, que realiza estudos clínicos na área de medicina, para testar o uso da hidroxicloroquina – medicação para malária - e da azitromicina (antibiótico) para o tratamento em pacientes com Covid-19. O Hospital é o único hospital privado em Campinas e na Região Metropolitana de Campinas selecionado para a realização dos testes.

Os estudos estão sendo capitaneados pelo cardiologista Dr. José Francisco Kerr Saraiva que é diretor do Instituto de Pesquisa Clínica de Campinas em conjunto com médicos do Hospital Samaritano Campinas. Dr. Saraiva é também professor da PUC- Campinas (Pontifícia Universidade Católica de Campinas) e diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

De acordo com o coordenador médico da Unidade Coronariana e UTI Respiratória do Hospital Samaritano Campinas Dr. Hugo Bertipaglia, o Hospital vai participar dos testes em conjunto com o Hospital Albert Einsten. “A escolha pelo nosso Hospital é em razão de já realizarmos estudos clínicos internacionais há alguns anos. O Samaritano Campinas sempre ajuda a população da região oferecendo o que há de mais moderno e tecnológico na medicina atual”, disse.

Os testes têm início nos próximos dias. Dr. Saraiva destacou a infraestrutura do Hospital. “O Samaritano é referência em Campinas e tem uma política assistencial. Está apto a tratar pacientes com Covid-19 e um dos poucos hospitais na cidade que optou por montar um a infraestrutura adequada para esses pacientes com Pronto-Socorro, Ala de Internação e UTI Respiratórios”. “Dentro de todo esse cenário, nada mais justo do que convidar o Hospital para participar do estudo junto com mais de 80 hospitais no país”, completou.

:: ESTUDO


Segundo o diretor do Instituto de Pesquisa, a ideia é que 1200 pacientes participem dos testes. Um deles engloba o uso da hidroxicloroquina com a azitromicina e outro só o uso da hidroxicloroquina. “Como todo medicamento, há efeitos colaterais. Os medicamentos só serão administrados nos pacientes com o consentimento deles ou autorização das famílias” explicou. Os resultados devem sair entre 60 e 90 dias. “Essa droga funciona na diminuição da replicação viral, ou seja, ela diminui o aumento da quantidade de vírus dentro do organismo”, falou Dr. Hugo.

Poderão fazer uso dos medicamentos os pacientes internados com Covid-19 com idade acima de 18 anos. Ambos os médicos estão com grandes expectativas. “Esperamos que os medicamentos nos ajudem no combate à doença e tire todo esse sofrimento e angústia nesses tempos tão difíceis”, disse o responsável pela UTI Respiratória. “Em meio a toda essa pandemia é necessário estudos de tratamentos que possam nos dar respostas científicas. É uma iniciativa muito boa e que traz esperanças aos pacientes”, concluiu Dr. Saraiva.

:: PREPARADO


Para o enfrentamento da pandemia do coronavírus – Covid-19, o Hospital Samaritano Campinas se preparou para atender e tratar os pacientes. A Unidade abriu um Pronto- -Socorro Respiratório separado do Pronto-Socorro Geral, montou uma Ala de Internação Respiratória com 16 leitos e uma UTI Respiratória com 13 leitos. Esses leitos foram adicionados aos já existentes no hospital.

Outro Hospital do grupo Samaritano que também foi preparado para atender os pacientes com Covid-19 é o Santa Ignês, em Indaiatuba. Nele, também foi aberto um Pronto-Socorro Respiratório separado do Pronto-Socorro Geral. O Hospital tem Ala de Internação Respiratória com 8 leitos e UTI Respiratória com 12 leitos. Os leitos são adicionais aos já existentes.

Autor Roger de Souza

Sou criativo, polêmico, autodidata por natureza e político por opção. Meus ideais de uma sociedade justa e igualitária estão no sangue. Sejam bem vindos a minha vida e ao mundo da informação dos bloggers.